Integração do jovem na FAK: Barreiras e Reflexões

Autores:

André Luiz Barroso do Carmo, Clara Perret-Gentil, Giovani Matos de Freitas, Maria Eduarda Machado Parente, Paola Souto Maior de Athayde Furtado, João Victor Oliveira de Melo, Miguel Rebelo dos Santos, Vitor George Martins Rebouças e Victor Pereira Neves.

Resumo:

Grandes preocupações existem no que tange aos tipos de atividades e metodologias que atendem às especificidades dos jovens. A necessidade de se autoafirmar e consolidar conhecimentos são características fundamentais da fase juvenil, que devem ser consideradas dentro de todos os ambientes, inclusive na Casa Espírita. Nesse contexto, a proposta do presente artigo é fazer uma breve análise das possíveis barreiras existentes na interação do jovem espírita com o restante da Casa na Fundação Allan Kardec, além de levantar reflexões sobre possíveis melhorias. Para isto, foi realizada uma pesquisa com os jovens espíritas e os trabalhadores da FAK por meio do Google Forms, a fim de consultar a comunidade sobre suas impressões, nas mais variadas facetas, que marcam o processo de integração do jovem com a Casa – cujo os resultados foram analisados por meio de uma adaptação do modelo Escala Phrase Completio. Chegando-se a conclusão de que são pontos importantes a serem levados em consideração para visualização da problemática: a autonomia do jovem, o acompanhamento de trabalhadores mais experientes, o aperfeiçoamento do processo de comunicação da Casa, a construção de laços afetivos, a vivência no bem e o conhecimento da identidade juvenil.

Palavras-chaves: Laços afetivos. Autonomia. Acompanhamento. Comunicação.